Todas as empresas, independentemente de segmento ou tamanho, estão sujeitas a passar por uma crise. A crise é todo acontecimento que pode prejudicar a imagem de uma organização. Desastres naturais, falhas humanas, problemas em equipamentos e serviços, posicionamentos errôneos, obstáculos fiscais ou acidentes de trabalho podem ameaçar a imagem e reputação da empresa e consequentemente acarretar problemas financeiros ao negócio.

Hoje, com a internet e as redes sociais o perigo de crise aumentou. Os consumidores ganharam mais voz e agora as empresas devem ficar mais atentas para agir rapidamente e de forma correta em caso de crise.

Para essas situações que existe o Gerenciamento de Crise, que tem como objetivo, reduzir e excluir os impactos causados por determinado momento de desequilíbrio, para que assim, a empresa tenha o mínimo de prejuízo possível, sejam eles referentes a imagem ou financeiro. Para tanto, é necessário que a organização reavalie suas estratégias e desenvolva ações junto aos gestores.

Eu indico que de tempos em tempos seja analisado todas as potenciais crises que poderiam impactar a organização, para criar planos de contingência às situações evitáveis. Aprender com os erros que já ocorreram também faz parte do processo de gerenciamento, registrando as respostas à crise e evitando que o mesmo ocorra no futuro.

Muitas empresas falham ao enfrentar uma crise inesperada por não tomarem medidas para se prepararem caso algum impacto ocorra. A maior falha das organizações em momentos como esse, é na área da comunicação. Em uma crise, o ideal é que a empresa dê explicações a seus clientes, não omita e distorça informações e esteja aberta a responder qualquer questionamento.

As consequências de uma crise podem ser graves para qualquer organização, independentemente do seu tamanho, algumas são: perda de confiança por parte dos fornecedores, investidores e clientes, diminuição do fluxo de caixa, perda do diferencial competitivo, o que abre espaço para empresas do mesmo nicho, aumento nos custos operacionais, etc.

Não existe uma forma padrão para resolver o problema. Cada crise, é uma crise. Porém, a verdade sempre é a melhor opção. No momento em que houver um foco de crise é essencial ir até a raiz do problema e resolver o quanto antes, ainda mais no contexto da internet, onde as notícias correm rapidamente.

Em 2013 a Coca-Cola teve que lidar com uma crise bem delicada. Lembram daquelas fotos de um rato dentro de uma Coca-Cola? Pois é, rapidamente a equipe de gerenciamento de crise da multinacional lidou com o problema. Tudo começou com a circulação dessas fotos e posteriormente, um consumidor que tinha dificuldades motora e de fala espalhou pela internet ter adquirido essa condição após consumir um produto contaminado.

Ele abriu um processo contra a companhia em 2010, mas o caso só ganhou notoriedade em 2013. Para lidar com essa situação a Coca-Cola fez comunicados oficiais na internet e lançou um comercial que mostrava todo rigor nos processos de controle de qualidade dos seus produtos. Em 2016 o Tribunal de Justiça de São Paulo, em primeira instância, inocentou a empresa e disse que o tal caso do rato nunca existiu.

Como vimos ter um plano de gerenciamento de crise é totalmente necessário para toda empresa, independente do seu tamanho ou setor, além de garantir diversos benefícios ao empreendimento, aumenta a segurança e bem-estar dos funcionários, clientes, investidores e outros grupos próximos à empresa.

Na maioria das vezes, é preciso contar com uma agência que tenha maior conhecimento e experiência no assunto, evitando que o problema gere prejuízos maiores. Desse modo, poderá ter todo o suporte necessário ao sucesso do gerenciamento.

Eai, entendeu o que é gerenciamento de crises? Tua empresa tá preparada? Ficou com alguma dúvida? Entre em contato comigo pelas Redes Socias da WD e até a próxima!