Antes de falarmos da formação de preço de um produto ou de um serviço, precisamos conhecer todas as variáveis que precisam ser mensuradas para uma correta apuração.

Quando falamos em precificação logo lembramos de um dos métodos mais simples e mais utilizados pelo meio empresarial: o Markup, que nada mais é do que um índice multiplicador aplicado ao custo unitário de um produto ou serviço para a formação do preço, a fim de se obter o preço mínimo de venda de acordo com o lucro desejado.

1. Entendendo a diferença entre custo e despesa.

Popularmente estes dois conceitos são facilmente confundidos, porém para o bom gerenciamento de seus negócios é importante que fique bem claro para o empresário esta diferença conceitual.

Tratamos como custo, todas as saídas de recursos financeiros diretamente necessárias a produção de um bem, ou a prestação de um serviço. Pense se simplesmente este gasto não existisse, ele faria diferença na produção de seu bem ou na prestação do serviço? Se a sua resposta for sim, trata-se de um custo, se a resposta for não, logo trata-se de uma despesa. As despesas são todos os gastos secundários necessários à manutenção de sua operação, que incorridas ou não a produção ou prestação de serviços elas estão presentes.

Os custos ainda podem ser classificados em dois grande grupos: custos fixos e custos variáveis. Os custos variáveis são aqueles que são consumidos toda vez que produzimos, enquanto os custos fixos são os indispensáveis para produção porém são consumidos independente do produto ou serviço estar sendo produzido ou prestado.

Os custos fixos são aqueles que como o nome indica, mantêm-se fixos independentemente do volume de produção. Dessa forma, por mais que o ritmo de produção e vendas oscile, esses valores são mais estáticos.

Ao contrário dos custos fixos, custos variáveis são aqueles que acompanham o ritmo de produção da empresa, sofrendo alterações conforme o tempo. O custo variável é aquele que vai mudar de acordo com o volume de vendas ou a prestação de serviços.

Portanto, se você deseja aumentar sua margem de contribuição, é interessante pensar em diluir os custos fixos principalmente, pois quanto maior a produção, menor o impacto destes custos em cada produto ou serviço, o que pode gerar uma queda no preço de venda para o consumidor.

Além disso, a separação dos custos é a melhor forma de manter os gastos controlados, verificando como anda seu fluxo de caixa e observando para onde o dinheiro está indo.  

O markup é o método de precificação que adiciona ao custo total incorrido de um bem ou serviço, um percentual para gerar o preço mínimo de venda com propósito de gerar um lucro. Por isso é muito importante conhecer e mensurar todos os custos e despesas da operação.

2 . Cálculo do MARKUP

Vejamos o exemplo:

2.1 - Determine os custos totais do seu produto ou serviço, separando as despesas em fixas e variáveis:

l Custo total unitário  = R$ 45,00

l Despesas fixas = 10% (representam 15% do custo total da produção unitária)

l Despesas variáveis = 15% (representam 17% do custo total da produção unitária)

l Margem de Lucro = 23%

2.2 - Aplicação da fórmula

Markup = 100/100-(DF+DV+ML)

MK = 100/100 - (10+15+23)

MK = 100/100 -48

MK = 100/50

MK = 1,92

*MK = markup

2.3 - Aplicação do índice e precificação

Preço de venda = CPun x MK

Preço de venda = 45x 1,92

Preço de venda = R$ 86,40

*CPun = Custo total da produção unitária

Pronto! Chegamos ao valor unitário mínimo de venda do seu produto ou serviço! Agora que você já sabe como realizar este cálculo, pode vender seus produtos e serviços com segurança, gerando lucro para seus negócios.

Depois de colocar em prática o uso do markup , conte-nos sua experiência! Se quiser tirar dúvidas , entre em contato através das nossas redes sociais!